segunda-feira, 3 de abril de 2017

Karma instantâneo!

Por vezes acontecem coisas na pesca que nos deixam na dúvida... Na dúvida se as coisas acontecem por acaso ou realmente há algo "mais", onde para cada acto há uma consequência, seja negativo como positivo.

Este relato começa com uma tímida e pequena abertura nas previsões, como de costume, mas com uma grande nuance... Coincidiam com uma maré matinal. E em dia de trabalho...
Ir ou não ir? Será que vale a pena tentar aquelas 2h ou mais vale ficar na cama e esquecer?

Certamente já adivinharam qual foi a decisão, caso contrário esta história terminaria por aqui :)

Ninguém quis alinhar na minha pequena "loucura", uns por responsabilidades, outros por incompatibilidade no horário, acabei então por ir sozinho. Não é problema, por vezes dá gosto aventurar-me sozinho e ter uns momentos a sós!

Ainda estava escuro e noite cerrada quando o despertador toca e como se tivesse molas salto da cama, visto-me, pego nas coisas e estou no carro. Uma operação rápida e cirúrgica, estando tudo pronto logo na noite anterior. Todos os minutos contam...

Chego ao spot que tinha em mente, faço meia dúzia de lançamentos mas o mar estava bruto e traiçoeiro... Não queria arriscar de maneira nenhuma e fui procurar outro pouso.

Encontro outro sitio mas nem levei cana, apenas fui confirmar que não tinha condições. Já com outro sitio em mente e a caminho, apercebo-me de um sitio onde o mar estava com bom aspecto.
Sem cana, fui espreitar um pouco e tentar perceber se tinha ou não condições.

Olho para o relógio, calculo a altura da maré e vejo o comportamento do mar. Estava bom, era ali mesmo!
Agora equipado, começo com alguns lançamentos para sondar o pesqueiro. Vinis a bater no fundo para perceber onde andavam as pedras e como seguiam as correntes.

Com isto tudo, o tempo ia passando e o lusco-fusco era cada vez mais uma realidade, já surgiram alguns raios de luz, a hora mágica estava a chegar... "Ou engano alguma coisa, ou então é grade certa"

Agora com alguma luz, apercebo-me que os lançamentos não estavam a chegar onde pensava estar a chegar. Amostras e vinis não chegavam à zona que queria e mudei para uma zagaia com raglou. Vou fazendo alguns lançamentos e reparo que ao meu lado está a chegar um pescador.

Faço mais um lançamento longo, recolho lentamente e quando olho novamente para o pescador, levanta-me o braço e dá-me o bom dia. E eu retribuo a simpatia, levantando também o braço.
Eis que quando volto a recolher, tinha um peixe ferrado! Karma instantâneo!!

Trabalho o peixe com calma e trago-o para a beira, quando chega a hora de recolher o peixe lá veio para cima a peso. Já contava estar num pesqueiro assim e por isso levei a cana para esse tipo de trabalho.
Robalo com zagaia
Já valeu a pena!
A selfie da praxe
Nada como um robalo matinal!
O senhor veio novamente cumprimentar-me e dar os parabéns, eu agradeci e disse que para mim o dia já estava ganho.
Ainda voltei a fazer mais uns lançamentos, insisti na zagaia e com algumas paragens a fazer queda livre, tentei também passeantes e cheguei mesmo a ver alguns peixes bem lá ao longe a surfar nas ondas, mas era de todo impossível chegar lá.
Com um bom peixe capturado e o dia já em pleno, dei por encerrada a jornada.
Olho de peixe
Dissimulado na poça
Por isso, lembrem-se... Sejam simpáticos uns com os outros e pode ser que coisas boas vos aconteçam!! :)
Ler mais »

quinta-feira, 16 de março de 2017

Jornada dupla!

Deixo-vos uma jornada dupla, com alguns acontecimentos....caricatos.

Surgiram 2 dias com previsões interessantes, no primeiro roçavam o aceitável e no dia seguinte melhoravam. Apenas ali mesmo no limite, mais um pouco e não daria para molhar as amostras.
Mesmo assim, arriscamos nos dois dias. Porque não? A grade está garantida e as surpresas acontecem...

Na primeira noite, encontrámos mar picado, período manhoso, correntes laterais... O cenário não estava muito bom. Já tive noites melhores... Mas estávamos ali para pescar e era isso que íamos fazer!

Tentámos várias abordagens: mais para a esquerda, para a direita, de um lado e do outro, sempre em busca do peixe. Nada parecia dar resultado mas tinha que andar peixe por ali...
Foi precisamente na viragem da maré que tenho um toque e ferro um. E a linha corre. E corre! E não pára!!!

O que quer que estivesse do outro lado, estava cheio de vida e não parava! Para complicar as contas, eu estava a recolher contra a corrente, não tinha outra hipótese. Tinha que aguentar...

Pouco a pouco, vai-se cansando e eu volto a ganhar terreno, vou recolhendo linha mas sempre um peso enorme do outro lado, com alguns arranques e cabeçadas pelo meio... Na minha cabeça, estava ali um peixe de calibre acima do habitual. Será que....?

Quando finalmente chegou perto para ser cobrado, percebi logo o que se passou: estava ferrado pela boca e lombo, com a amostra na lateral, deixando a cabeça livre para puxar e correr à vontade... A corrente fez o resto do trabalho...

Tudo junto enganou-me e bem!

Não é mau apanhar peixe, não me interpretem mal! Mas quando pensamos que temos "aquele" peixe e afinal, é apenas um mal ferrado.... :)
Este aqui enganou-me bem....
....Mas é um bom peixe na mesma!
Artista
Depois de tirar as fotos da praxe, tentei ver se era um macho ou fêmea ovada, pressionando um pouco a barriga.
Era um macho como podem ver.

Nessa noite não deu mais nada. O mar estava a mandar embora e embora nós fomos. Um peixe já não foi nada mau e voltaríamos mais tarde.

#######################################################

Na noite seguinte as previsões estavam em teoria melhores e mais favoráveis. Em teoria...
Chegámos ao local e constatámos que afinal não estava assim tão bom como imaginávamos. Período incerto, mar com alguma força e corrente. Muita corrente...

Ainda assim, espalhámo-nos para tentar a nossa sorte. O meu primo ficou no sitio inicial, eu e o João fomos tentar a nossa sorte na areia. Quem tivesse a sorte de dar com peixe, dava sinal.
Acho que não cheguei a fazer mais do que 3 lances quando vejo o meu primo a dar sinal e lá vou eu ver o que se trata.

Um robalo quileiro, nada mau para começar a noite!
O primeiro da noite
Desta vez fiquei no local a tentar a minha sorte também, tendo o João ido para outro spot.
Fui trocando de amostra e acabei por enganar um pequenote, logo devolvido ao mar!
O meu safa-grade já cá estava!
Como não estava a dar com os grandes, tentei ir para a beira do João mas o mar não deixava. Optei por dar mais algum tempo antes de avançar e voltei para onde estava.
Eis que vem uma onda, do nada, com uma força estúpida, bate na pedra, levanta água e deu-nos um valente chuveiro!

E aqui as coisas azedaram... Passado uns segundos, vejo a luz do João mais atrás no acesso ao spot. Pensei eu que com a onda, apanhou um susto e optou por trocar de lugar.
Estava meio certo, pois o susto apanhou mas saiu do sitio porque não se livrou de uma valente molha com direito a um pequeno rasgo nos vadeadores e lanterna pifada (não desligava). Chateado, teve que ir ao carro trocar de roupa para continuar.

De volta à pesca, o meu primo de mão quente ferra um peixe perto e aperta logo com ele, forçando-o a ceder facilmente na luta. Consegue puxá-lo para a zona de recolha e eu tratei de o ir buscar.
Fiquei boquiaberto.

Eu pensava que era um peixe do calibre "normal", entre 1 a 2kg a julgar pela "facilidade" com que cedeu. Quando vejo o dorso, uuuuiii....O peixe tinha um lombo enorme, mais de 3kg!
Um valente robalo, segundo da noite!
Claro que se ele antes estava contente, agora então.... :)

Continuamos a pescar e entretanto chega o João mais recomposto. O meu primo, de mão quente, acaba por ferrar mais um bom robalo, com uns bons 2kg. Só dava para um lado e nós a vê-los passar...!!
Eis o terceiro da noite...
...Estava de mão quente!
Eu e o João trocámos umas ideias sobre o que estava a acontecer e mudámos de amostra. Em menos de 3 lances cada um ferra peixe, de pequeno porte.

O meu robalote acabou por se desferrar no caminho, o do João veio para o registo fotográfico e voltou para a água.
O robalote do João
Depois disso, simplesmente parou a actividade. Não tivemos mais nenhum toque, simplesmente acabou a festa...

Acabou por ser uma noite estranha, com capturas boas mas só para um lado :) Dá que pensar....!
Há noites que não se conseguem explicar, pode-se tentar, mas não adianta.

Ai pesca, pesca.... Por vezes tão previsível e tantas vezes incerta! :)
Ler mais »

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Velhos são os trapos!

Não se deixem enganar pelo título, apesar de haver muitas linhas e nós isto não vai passar a ser um blog dedicado à costura... :)

Esta aventura começa com uma vontade de mudar de ares, mudar de pesqueiros, procurar alternativas viáveis em dias mais feios e se a sorte o permitir, encontrar capturas!

As previsões para o dia estavam um pouco agrestes, mesmo no limite. O ideal para o teste que se pretendia...

Tudo alinhado, eu e o meu primo rumamos ao pesqueiro. Depois de uma rápida observação ao mar antes de começar, definimos o plano de ataque e lá fomos nós.
Não é fácil sair da nossa zona de conforto, da nossa rotina, dos nossos pesqueiros habituais mas por vezes temos mesmo que nos colocar à prova, arriscar e errar!

Chegados ao local começamos a lançar as amostras e pouco depois o meu primo dá sinal, já tinha enganado um! Assim está bem!
Zona um pouco complicada para cobrar o peixe, fui pousar a cana para ajudar a puxar e assim que a onda passou, ali está ele!
Robalinho
Oh para ele, todo contente :)

Foi algo que não estávamos à espera, afinal de contas íamos apenas explorar terreno... Mas afinal ainda há algumas surpresas reservadas aos aventureiros! Esta captura deu-nos imediatamente outro ânimo para continuar...

Por falar em surpresa, eu também tive a minha parte e quando já estava sozinho no pesqueiro, levo uma valente pancada do outro lado da linha, não muito longe de onde estava. E vejo uma chapada na água, acompanhada de uma cauda de peixe... Temos festa!!

O peixe debate-se bem e com força, cravou-se perto e leva alguma linha, pelos vistos não está para brincadeiras... Eu também não! Hora de ver o que vale o material...

Aperto com ele um pouco, ganho linha e terreno, agora começo eu a mandar. Vou-o trazendo para mais perto até que chega a hora da verdade. Não tenho forma de o cobrar, o meu primo está longe (dei-lhe sinal logo no inicio) e não chega a tempo. Vai ter que ser a peso, hora de ver o que vale a Xorüs Minorque...

Drag apertado, cana para baixo, levanto firme e rodo para o lado.... Já está! JÁ ESTÁ!!!
Maria AK e robalo
Bonito robalão! 
Efeitos especiais
Um belíssimo peixe com mais de 2kg tirado a peso, algo que muito raramente faço e em condições nada favoráveis.... Não há melhor forma de passar o dia!

Depois desta captura ainda insistimos bastante, mas acabou por ficar por ali. Nada mau!

Agora, porque é que velhos são os trapos? Fácil! Numa altura em que há tanta corrida pelas amostras da moda, as "matadoras", as infalíveis... Parece que as amostras "velhas" acabam por ficar para trás, esquecidas como se não fossem capazes de fazer peixe...
Pois bem, aí estão dois peixes "engraçados" capturados com duas clássicas: Strike Pro Minnow e Maria Angel Kiss 140 :)

Quem diria que um dia dedicado à exploração e aventura, acabaria por tocar em escama?
Bela escama!
Ler mais »

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

E que tal uma chumbadinha?

O mau tempo chegou e finalmente estamos a ter o típico tempo de Inverno - frio, chuvoso, rigoroso e perigoso. Isto também significa dias e dias presos em casa à espera de uma aberta para poder fazer uma pescaria...

Mas então e quando a vontade de ir à pesca é maior? Arranjam-se soluções alternativas!

A alternativa encontrada foi num dia de mar grande pegar na cana de chumbadinha e ir atrás dos sargos em pesqueiros mais altos e abrigados.
Com a vontade a apertar, o material ali parado e uns restos de isco congelados, estava feita a formula ideal para mais uma manhã de pesca!

Combinei com o meu primo a hora e nas calmas fomos indo para o pesqueiro. Não há pressa, o plano é ir gastar isco e ver se eles lá andam. Para dar uma pequena noção do quão calmos estávamos, combinámos às 9h, mas ainda fomos tomar café, tivemos que voltar atrás para ir buscar o isco esquecido (hábitos de quem só usa artificiais!) e ainda nos perdemos no trilho que dá para o pesqueiro!
"Eu acho que é por aqui... Ou será por ali?"

"Ora bem, eu acho que é mesmo por aqui!!"

Pesqueiros manhosos....!
Mas nem por isso estávamos preocupados, vamos mas é ao que interessa - pescar! E logo ao segundo lance eu tenho um toque e apanho um bom sargo, isto assim está bem!!
"Monta lá a cana! Porquê?"

"Porque já tenho um!"

Ao segundo lance :)
Ainda o meu primo não tinha a montagem feita e eu já tinha um sargo cá fora eheh :)

Continuamos à procura deles mas não estavam muito activos. Parecia que aquele era filho único... Até sair outro, desta vez foi o meu primo que tirou!
Afinal também sabes....!
Outras espécies de menor valor também deram o seu ar de graça. Foram apanhados 2 cabozes, 2 bodiões e um polvo! Todos foram libertados, mas o bodião com as suas belíssimas cores tinha que aparecer na foto... :)
Bonito peixe!

Lindas cores....!

Polvo voador!
O tempo ia passando, o isco ia sendo gasto e apenas se capturou mais uma boa safia... A chuva entretanto abrandou e demos por terminada a pescaria. Não foi uma pescaria épica e daquelas para recordar mais tarde.
Não é grande pescaria, mas é pescaria :)
Ou melhor, será para recordar o porquê de não irmos para aqueles sítios tantas vezes! É que a subida é tão dura e cansativa que quando chegamos ao topo estávamos a morrer e as dores de pernas no dia seguinte eram impossíveis :)

Foi um bom dia de pesca apesar de tudo, deu para desenjoar do spinning e ainda me deu uns bons peixes para o almoço :)
Ler mais »

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

El Gordo!

Depois dos primeiros arranques do ano tirados quase a ferros, passado uns tempos surgiu uma outra oportunidade mas muito tímida e discreta. Nesta altura do ano, todas as oportunidades devem ser aproveitadas e esta não foi diferente.

Por ter sido muito em cima da hora, acabei por ir sozinho ver se eles andavam lá. Não é problema, pois por vezes também precisamos de um tempo a sós com o mar...

A noite estava fria, foi preciso agasalhar-me bem para conseguir aguentar. Que saudades das noites de aragem quente e abafada!

Chegado ao local de ataque, começo por pescar para um dos lados que costuma ser mais restrito por causa do mar. Mas não estava a mexer bem como gosto... Ao fim de uns lançamentos, opto por mudar de lado.

Terão passado apenas alguns 5 ou 10mins quando levo uma boa pancada na cana e sinto o fio a sair do carreto! Afinal anda aí qualquer coisa!!!
Trabalho o peixe ao largo para o cansar, vou recuperando linha e quando chega a hora de o recolher surge uma pequena complicação... Não tinha ondulação nem nível de água para o fazer passar as pedras!
Bem..... Temos que nos desenrascar e neste caso, a solução foi virar o peixe para outro lado e recolher na areia. Puxo para a zona da areia, abro um pouco o drag para não forçar e como estava um pouco alto, lá vai salto para a areia!

Apresso-me para recolher a linha folgada pelo salto, aperto um pouco o drag e com a ondulação cobro o peixe. E fico boquiaberto....
Um bom peixe...!
Grande barriga!!!!
Era um peixe gordo como tudo!!! O primeiro pensamento foi "pronto, temos aqui uma fêmea" mas pelo sim, pelo não optei por verificar. Com a mão deslizei pela barriga abaixo e só sentia "cascas", certamente de caranguejo (99% de certeza pilado). Incrível, o peixe era mesmo obeso!!!
Não podia faltar a selfie!
Momento Picasso
Insisto no mesmo local e não tive mais nenhum ataque, com a habitual rodagem de amostras. Hora de voltar ao sitio inicial!

Vou agora deixar algumas das abordagens que fiz enquanto estive neste mesmo local:
- A maré tinha alguma água e um pouco de corrente quando cheguei no inicio da pesca. Pescava com amostras que chegassem longe para tentar apanhar a zona fora da corrente, mas vinham "a correr". Sem sucesso.
- Quando lá regressei, já estava mais calmo mas ainda alguma com corrente. Tendo em conta a altura da maré, uma amostra afundante de 17 não iria ser produtivo, iria bater na areia. Optei por uma de 14 afundante, só o suficiente para aguentar a corrente. Sem sucesso.
- A maré começa a virar acalmando a corrente. Ao mesmo tempo, surge a lua iluminando o mar. Coloco uma amostra flutuante que não afunde muito e com reflexos...

Ao fim de meia duzia de lançamentos tenho um ataque já nesta ultima abordagem, mas acabou por não ficar ferrado libertando-se após uma pequena corrida...

Isto apenas para dizer que não há amostras milagreiras, não há amostras que "inventam" peixe só porque estão na mala e dizem os outros que sim. O que há são ferramentas adequadas para cada situação e temos é que tentar tirar o máximo de proveito dessas mesmas ferramentas, na situação adequada!
Se vai correr sempre bem e é linear? Obviamente que não ou não fosse assim a pesca, incerteza e apaixonante! Mas cabe a nós, pescadores, tentar ter a sobriedade e clareza suficiente para perceber o que temos pela frente e como vamos abordar...!

O gorducho!
Depois do ataque insisti mais um pouco, mas a pesca estava feita, já tinha um bom peixe que quando fui pesar revelou-se uma boa surpresa. Depois de tantas capturas a andar lá perto eis que chego "ao número que me faltava" a nível de capturas. Algumas de 2kg, poucos de 4kg, bastantes de 1kg... Mas nenhum de 3kg e neste caso veio certinho, mais concretamente - 3,005kg!

Vamos lá ver como corre a próxima investida....!
Ler mais »