segunda-feira, 26 de agosto de 2013

As várias versões dos carretos Shimano

É frequente ver em blogs e fóruns questões como por exemplo "Qual a diferença entre um Shimano Symetre FJ e um Symetre FL" ou então "Qual é melhor entre um Twinpower  5000XG e um Twinpower 5000HG", muitas vezes sem saber ao certo o que será um "FJ" ou um "XG", assim como outras codificações usadas nos carretos Shimano.
Eu próprio fiquei curioso sobre as várias versões dos carretos e fiz algumas pesquisas nesse sentido, apresentando agora uma compilação dessas pesquisas (podendo até existirem dados incorrectos), esperando que sejam úteis e ajudem a decifrar com maior facilidade as várias versões existentes no mercado.


A evolução dos modelos

Começando por algo simples, falemos das diferentes versões e suas evoluções. Muitos certamente já encontraram à venda um carreto versão FA ou FB com um preço por vezes abaixo de uma versão FC(p.ex). Isto não costuma acontecer por acaso, uma vez que as versões FA costumam representar a primeira versão do carreto, sendo a FB a segunda versão e assim sucessivamente até onde quiserem produzir versões do modelo (algumas actualmente encontram-se na versão FJ).

Isto normalmente costuma traduzir-se em mudanças, quer estéticas quer mecânicas, por vezes até piores que a versão original (para baixar o custo de produção ou usando tecnologias recentes e ineficientes, p.ex.).
Há vários pescadores que por arriscarem numa versão mais recente, pensando ter um melhor carreto acabam por se arrepender da compra ao fim de algumas pescas...

Temos aqui um pequeno exemplo de evolução entre as versões do modelo Exage, começando na FA e acabando na FD. Pode-se observar logo à partida as mudanças estéticas, assim como a forma da bobine.
Shimano Exage FA
Shimano Exage FB
Shimano Exage FC
Shimano Exage FD

As diferentes embraiagens

Para além das versões Fx, existem também os carretos Rx que seguem de igual forma a ordenação alfabética das várias versões (RA, RB, RC....).
Estes modelos têm esta designação devido precisamente à posição da embraiagem (drag) em relação ao corpo do carreto. Reparem que normalmente usam-se para o spinning carretos da versão Fx mas não é menos comum em água doce usar carretos Rx. A diferença? O drag dos Fx está localizado no topo do carreto, enquanto nos carretos Rx o drag encontra-se no fundo do carreto. Não irei entrar muito em detalhe sobre as diferenças entre os drag's, não sendo esse o objectivo deste post mas sim referir o porquê R e porquê F.

Podemos comparar o mesmo modelo Spirex com ambos modelos, FG e RG, sendo notória a posição da embraiagem entre eles.
Shimano Spirex FG 
Shimano Spirex RG
Temos um outro exemplo do Symetre Fj, bastante conhecido entre os pescadores e um talvez menos conhecido, o Symetre RJ cuja diferença reside precisamente na posição da embraiagem.
Shimano Symetre RJ
Shimano Symetre FJ

Versões para água salgada

Para quem pesca em água salgada é comum ouvir falar num "tal de Stella SW" ou outros modelos "SW" e ocasionalmente uma tal de "SW-A". Muitos poderão deduzir logo o que quererá significar o SW, mas então o A?

Uma coisa de cada vez, o SW significa Saltwater representando uma versão adaptada para a água salgada. A inclusão de peças como  anéis vedantes, materiais menos oxidantes nas engrenagens, melhores formas de impedir a entrada de água assim como a ausência de uma alavanca para activar o reverse é no que por norma diferem estas versões das "normais". Existe actualmente alguma polémica a propósito de carretos definidos como SW que ao fim de algumas utilizações apresentam sintomas nada próprios e agradáveis como alguns pontos de corrosão ou desgaste exagerado dos componentes.

Mas afinal em que ficamos? É SW de Saltwater mas então e o SW-A?... Será uma versão? Penso que se pode dizer que sim, trata-se de uma versão Australiana, de exportação. Para o mercado japonês é comum saírem várias e diferentes versões, com diversas especificações associadas. Já para os mercados externos, costumam reduzir as opções onde por vezes até se tratam das mesmas versões mas têm nomes diferentes. Trata-se de um tema complexo e acho que não será necessário aprofundar mais, para já!

Podemos comparar uma versão SW e SW-A de um Twinpower, onde se verifica que a versão SW tem mais especificações que a versão SW-A, sendo no entanto igual nalguns pontos(tamanho 8000, p.ex.). Curioso, no mínimo!
Shimano Twinpower SW
Especificações Shimano Twinpower SW
Shimano Twinpower SW-A
Especificações Shimano Twinpower SW-A

As diferentes engrenagens

Depois de entrar nas versões de água salgada, surgem outras 3 versões distintas e com fins diferentes, assim como a mecânica que cada carreto contém.
Falo das versões XG, PG e HG que se encontram em modelos como o Biomaster e Twinpower. Também é comum surgirem dúvidas e questões relativamente às diferenças entre este ou aquele modelo e o porquê de aquele ter aquelas características e não outras.
Cada modelo tem os seus pontos fortes e fracos, variando entre velocidade recuperação e força de engrenagens. Passemos então ao que significa cada um e quais as características de cada um:

PG = Power Gear  - Idêntico a um carro ou bicicleta, para subir uma inclinação, é necessário colocar numa mudança baixa(leia-se engrenagem pequena), para ter mais torque. No entanto a velocidade é baixa, apesar da força. Este modelo usa-se quando é preferencial ter força em vez de velocidade.

HG = High Gear - Terá menos torque mas uma velocidade maior de recuperação. Será talvez o modelo mais equilibrado em termos de força/rapidez dos 3.

XG = Extra High Gear - Semelhante ao modelo HG mas com uma velocidade ainda maior, sendo usado preferencialmente onde a velocidade é imperativa e colocando de lado a força.

Podemos observar no quadro seguinte (Biomaster) as diferenças em termos de velocidade entre os 3 modelos, começando com ratio de 4.8 para o PG, subindo para 5.7 no HG e 6.2 no XG.
Quadro com características de versões Shimano Biomaster XG,PG e HG
Veremos também que esteticamente não costumam diferenciar muito entre eles, podendo as versões mais fortes ter uma manivela de ataque em vez de uma normal.
Shimano Twinpower SW5000PG
Shimano Twinpower SW5000HG
Shimano Twinpower SW5000XG
Observação:
Ainda de volta à versão SW e relacionando com estes 3 modelos, gostaria de transcrever uma análise do conhecido Alan Hawk,deixando-vos a opinião dele sobre as versões SW diferentes no mercado, que acabam por ser as mesmas mas com um XG/PG/HG por dentro.

"(...)Anyhow, in Japan they offer 13 domestic reels in different combinations of sizes and gear ratios. The list is too complicated to explain in whole, so check Shimano's Japanese site for the entire line up and feel free to ask me any specific questions Those Japanese models are named SWxxxxxPG/HG/XG. Where PG is Power Gear (low ratio for jigging), HG is High Gear (high ratio for popping), and XG is Extreme Gear or Extra High Gear (even faster ratio). For the US, they offer only 6 of those models. They are named xxxxxSW with no gear designation expect for a single model called 8000SW PG which is a slower ratio version of the regular 8000SW. For the US, the 5000 reels are the smallest of the series, 8000 and 10000 reels have similar bodies with different spool capacities, and the biggest are 18000 (high ratio) and 20000 (low ratio). (..)"

Versões por Ano de lançamento

Nos carretos de topo de gama, normalmente não se encontram versões mas sim anos de lançamento. Temos o exemplo mais flagrante do conhecido Stella cujas versões distintas foram lançadas em 2007, 2010 e mais recentemente 2013.
À semelhança dos parentes "inferiores" as mudanças entre versões podem ser de qualidade superior e outras vezes até inferiores. Não entrando muito em detalhes, fica apenas a referencia para este tipo de "versionamento" dos carretos e um exemplo de melhoramento de engrenagens de 2007 para 2010.
Engrenagem Shimano Stella 2007 - Shimano Stella 2010

Outras Codificações

Para além das versões e códigos até aqui referidos, há algumas que merecem uma pequena referencia. Temos o caso dos carretos "S", "C" e "DH". No caso dos carretos S, significa que são carretos com "Shallow Spool" (bobine baixa).
Shimano Biomaster 2500S
Os Shimanos do tipo C são do tipo "Compact size body" que não é mais que uma maneira de dizer que é um carreto pequeno com uma bobine do tamanho acima.
Os do tipo DH são carretos Dual Handle que representam manivela dupla, com duas pegas.
Conseguem imaginar tudo isto num só carreto? Pois bem, apresento-vos um Stella C3000SDH. E esta, hein?
Shimano Stella C3000SDH
Isto é um stella 2500 com bobine baixa de um 3000 e com manivela dupla. Estranha combinação que certamente terá o seu cantinho no mercado.

Para além destas designações referentes às características do corpo e apetrechos, há também as versões conforme o principal componente do corpo. Refiro-me às versões Mg e às mais recentes CI4.

Os Mg's tratam-se de carretos cuja principal composição é o Magnésio, sendo de um material mais leve mas de fácil oxidação.
Shimano Stradic 2500MgFA
As versões CI4 definem que o corpo tem como principal componente o Carbono, sendo a definição "Carbon Interfusion with the 4 referring to the number of electrons in the carbon atom". Leve e resistente à torção, tem sido a aposta por parte da Shimano para os corpos dos carretos mais recentes.
Shimano Stradic CI4 vs Shimano Stradic FJ

Curiosidade:

Durante as pesquisas, ocasionalmente esbarrava-me com uma pequena variedade de carretos com o nome "Soare BB" e tive curiosidade em saber o que isto significaria. Demorou um pouco e mesmo sem ter fontes 100% certas, verifico que BB significa "Blood Brother" sendo esta variedade uma espécie de versão "low cost" do carreto original com modificações personalizadas.
Soare BB30 2500HGS
Termino assim esta compilação de informação recolhida em algumas pesquisas, algumas de conhecimento geral e outras mais rebuscadas, tentando sempre manter-me à parte dos aspectos técnicos e específicos, focando-me apenas numa forma de apresentar estas nomenclaturas de forma clara.

Espero que seja do agrado de todos e qualquer erro encontrado ou apontamento achem necessário fazer, é só indicar que resolve-se prontamente :)

5 comentários:

  1. Muito bom, finalmente consegui compreender as diferenças entre eles, realmente foi algo que sempre me intrigou quando tomei iniciativa de escolher o meu material.
    Texto simples, curto e esclarecedor.

    Boas pescarias,

    Diogo Regalado!

    ResponderEliminar
  2. Muito Bom Post Cláudio!
    Obrigado pela partilha de todo o trabalho de pesquisa!

    Forte Abraço

    ResponderEliminar
  3. Muito bom, por vezes os catálogos não explicam tudo, e nas lojas ainda sabem menos, obrigado.

    Boas pescas

    Zé teixeira

    ResponderEliminar
  4. Foi ótimo ter lido este post. Obrigado e parabéns.

    ResponderEliminar
  5. Muito obrigado.
    Esta tudo muito claro
    Bem haja
    Abraço

    ResponderEliminar